Imagem capa - 01 de Agosto > Dia Mundial da Amamentação por Daisy Evaristo
FotografiaDiversos

01 de Agosto > Dia Mundial da Amamentação

Eu tive uma gestação muito tranquila, e sem complicações no parto.

E eis que em 16 de janeiro, depois de passar 10 dias do prazo, no calor do verão de 2008, nasce Sara, o bebê mais lindo do mundo! Não. Ahahahah

Mas acho maravilhoso aquelas pessoas que veem um bebê recém-nascido (e quando digo recém-nascido, quero dizer recém-nascido mesmo, com um, dois dias de vida, e acham o bebê bonito), essa não sou eu ahahahah

Ela nasceu de parto normal, na Maternidade Darci Vargas, aqui em Joinville/SC. Super saudável e, como todo membro dessa família, faminta. Super faminta. E assim que a colocaram em meu colo, ela já estava de boca aberta, pedindo comida.

Sério, como pode gente? Ela tinha acabado de sair da barriga?!!

Terminado os procedimentos, lá fomos nós. Eu tinha muito leite! Muito mesmo! Depois até doei para o banco de leite da maternidade, e tenho muito orgulho disso! Enquanto estava lá, pude conhecer as histórias de muitas mães que não podiam amamentar seus bebês, e eles choravam sem parar. De fome. Fome! É muito triste!

Estávamos lá. Nós quatro, a mini pessoa super faminta, eu e os peitões. E agora José? Por sorte, tem a equipe do hospital para orientar a gente! Você acha que é só pegar o bebê, colar ali e tá tudo resolvido! Pois não é! Sem falar que, depois do parto você não pode nem tomar um banho sabia? Eu me sentia super nojenta. Nossa, eu estava louca por um banho! Mas não... banho pra quê?! Vamos saciar a faminta!

Eu acredito que por ter sido um parto normal, ou seja, meu corpo se preparou para esse momento, o leite já saiu imediatamente. Tem mulheres que esse processo demora. E também, porque eu tinha muito leite, jorrava! Não estou inventando não. Jorrava mesmo! Só no tempo de posicioná-la e ajeitar a coisa toda, saia direto no rosto dela. Agora é engraçado... ahahah

Por isso, eu não tive nenhum problema com a amamentação. Foi tudo muito tranquilo, sem nenhuma dificuldade, nada. Só no começo que era meio estranho, mas eu curti muito. Era um momento só nosso, e que durou pouco tempo. Por fim, Sara mamou até uns 9 meses. Foi deixando gradativamente assim que começou a comer outros alimentos. Inclusive na época, eu trabalhava em uma empresa, e havia todo um processo para conseguir continuar com o leite materno.

Na época ela ficava com a vó There. E para continuar com o leite materno, eu tirava o leite e deixava uma mamadeira pra ela tomar pela manhã. No trabalho, como eu tinha muita produção, tirava lá também e fazia outra mamadeira. Meio dia íamos amamentar e levar essa mamadeira. Era bem engraçado, porque ficava uma mamadeira na geladeira da empresa e todo mundo sabia o que era ahahahah

Valeu a pena!


Olha nós aqui onze anos depois! 

Foto: Jackeline Kill




Com a Daiane e o Luis foi um pouco diferente


“No começo tive muita dificuldade para amamentar. O Luis nasceu de 37 semanas e 3 dias, e eu não tinha bico. Fui várias vezes ao hospital para obter ajuda, e depois de muito desgaste optei pelo bico de silicone. Depois de mais ou menos 2 meses usando, consegui ir tirando.

A amamentação era um sonho pra mim. Sabia de todos os benefícios e não queria abrir mão, até cheguei a falar pro meu marido que só ia amamentar até ele completar 6 meses, porque era muito difícil.

Então, as coisas foram melhorando e quando Luis completou 6 meses estávamos tão bem que nem pensava mais na possibilidade de parar de amamentar.

É muito bom pode passar por essa experiência. O início não foi fácil,   mas com persistência, valeu muito a pena!”



Pra você, que está aí na luta, você não está sozinha. Vocês vão superar qualquer dificuldade e todos vão sobreviver. Algumas sequelas, provavelmente. Mas se nós duas conseguimos, vocês conseguem!


Se você conseguiu se identificar, e até deu risada, deixe seu comentário, conta um pouco da sua história.

Tenho certeza que vai conseguir ajudar alguma mãe que está na luta para conseguir amamentar, ou vai dar umas risadas com um pouquinho da vida real, que não é lá um mar de rosas não é? rs

Super beijo!

Daisy


Encontrei esse texto que achei super bacana, e vale a leitura.


1º de agosto — Dia Mundial da Amamentação

Em 1º de agosto é comemorado o Dia Mundial da Amamentação, data criada em 1992 pela Aliança Mundial de Ação pró-amamentação (World Alliance for Breastfeeding Action - WABA) com a finalidade de promover o aleitamento materno e a criação de bancos de leite, garantindo, assim, melhor qualidade de vida para crianças em todo o mundo. A data é comemorada dentro da Semana Mundial de Aleitamento Materno, que ocorre em 120 países anualmente entre os dias 1º e 07 de agosto.


Importância da amamentação


Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a amamentação é a principal forma de fornecer ao bebê os nutrientes necessários para sua sobrevivência e seu desenvolvimento. Nos primeiros seis meses de vida, deve ocorrer o aleitamento materno exclusivo, sem a complementação com nenhum alimento. Após o período de seis meses, outras substâncias podem ser oferecidas à criança. Vale salientar que vários estudos sugerem que crianças devem ser alimentadas com leite até, pelo menos, os dois ou três anos de idade.

Apesar de muitas pessoas afirmarem que o leite de uma pessoa pode ser fraco, esse fato não é realidade. Todas as mulheres apresentam leite capaz de nutrir e proteger sua criança, portanto, não é necessário adicionar nenhum produto à alimentação no início da vida de um bebê. Vale destacar ainda que o leite da mãe já está na temperatura ideal para a criança, não necessita de esterilização e pode ser usado sem medo.

No leite materno, a criança encontra não só as substâncias necessárias para a sua nutrição, mas também anticorpos fundamentais para protegê-la no início da vida. Estudos comprovam que a mortalidade por doenças infecciosas é menor em crianças que são amamentadas. O leite materno também garante proteção contra infecções respiratórias, evita casos de diarreia e o seu agravamento, além de diminuir os riscos de alergia.

No que diz respeito aos benefícios a médio e longo prazo, a amamentação faz com que as crianças apresentem pressões arteriais mais baixas, menores níveis de colesterol e uma redução do risco de desenvolver obesidade e diabetes tipo 2. Nesse último caso, podemos destacar o fato de que a mulher que amamenta também apresenta esse risco reduzido.


Benefícios da amamentação para as mães


Para a mulher, o aleitamento também traz benefícios, merecendo destaque a proteção contra o câncer de mama e de ovários, bem como a diminuição dos riscos de morte por artrite reumatoide. Nos primeiros seis meses, o ato de amamentar pode garantir uma proteção contra uma nova gestação. Estudos indicam que a ovulação está relacionada com o número de mamadas diárias do bebê, sendo assim, ela ocorre mais antecipadamente em mulheres que amamentam menos vezes. Podemos destacar ainda que a amamentação cria um maior vínculo afetivo entre a mãe e o bebê.

Para aquelas mulheres que por algum motivo não podem amamentar, o leite materno pode ser conseguido nos chamados Bancos de Leite Humano. Esses bancos são mantidos graças às mulheres na fase de amamentação que apresentam excesso de leite e realizam a doação, garantindo, assim, qualidade de vida para outras crianças.

Diante de tantos benefícios, não é difícil entender como a amamentação é fundamental para a saúde da criança. Sendo assim, iniciativas como a Semana Mundial de Aleitamento Materno e o Dia Mundial da Amamentação são essenciais para garantir a conscientização da sociedade sobre essa questão.

Além disso, é importante investir em campanhas que desmistifiquem conceitos arraigados como o do “leite fraco” e de que o “leite materno não acaba com a sede da criança”, ensinando, assim, como realizar a amamentação da maneira adequada.

Fonte: https://brasilescola.uol.com.br/datas-comemorativas/dia-mundial-amamentacao.htm